Correspondencias: cartas como películas
Correspondencias: cartas como películas

Correspondencias: cartas como películas

15,00 €  
IVA incluído.

Em "Correspondencias: cartas como películas" muitas das cartas revelam não só amizades secretas (Louis Lumière e George Méliès), mas também colaborações desconhecidas (Orson Welles e Robert J.). Flaherty) ou projectos que não teriam sido documentados sem estas cartas (a ideia de Maya Deren de fazer um filme sobre o circo, a proposta de Pasolini a Jacques Tati para participar em Porcile); outras cartas marcam o fim de uma colaboração (Marguerite Duras, propondo um guião a Alain Resnais que, depois de o rejeitar, acabaria por ser ela própria a filmar). Outras correspondências pedem ajuda em momentos de confusão criativa (Paul Sharits para Stan Brakhage, Stan Brakhage para Hollis Frampton, Gregory Markopoulos para Stan Brakhage), documentam momentos históricos importantes (a guerra no caso de F. W. Murnau ou Robert J. Flaherty, a situação política na Indonésia, Itália ou França no caso de Joris Ivens, Pasolini ou Truffaut), aparecem como crónicas de uma viagem (S. M. Eisenstein, Chick Chick Chick, S. M. Eisenstein, Chick, S. M. Eisenstein, S. M. Eisenstein, S. M. Eisenstein, S. M. Eisenstein, S. M. Eisenstein, S. M. Eisenstein, S. M. Eisenstein, S. M. Eisenstein). M. Eisenstein, Chick Strand e Ron Rice do México, Warren Sonbert de Marrocos, Resnais de Hiroshima, Ivens da Austrália, Peter Hutton da Alemanha, Murnau da Letónia, Allen Ginsberg da Índia) ou cumprimentar outros poetas (como as cartas-ofertas de Eric Rohmer, Anne-Marie Miéville ou Chris Marker).

Uma carta é, sobretudo, uma pequena cápsula de tempo: desde as memórias de infância de Jonas Mekas às variações de comportamento, à forma de se expressar ou ao uso da linguagem ao longo das diferentes cartas - começando, por exemplo, pelas particularidades da correspondência de Jean Vigo com Jean Painlevé. Aquilo a que chamamos cinema deve ser assumido como um pensamento sempre incompleto, como uma história da qual algumas páginas foram arrancadas. São estes buracos que o leitor deve preencher. Essa é a vocação deste livro, que é constituído por aquelas páginas que alguém arrancou dos livros de histórias, páginas que encontramos a voar pelos céus, entre dois oceanos. Páginas que tentamos recolher de braços abertos.

Editado por Garbiñe Ortega e Francisco Algarín

Promovido e distribuído pelo Fondo de Publicaciones del Gobierno de Navarra.

Título
Correspondencias: cartas como películas
12º Festival Punto de Vista 2018
Edição
Gobierno de Navarra
Ideia e direcção
Garbiñe Ortega
Investigação, edição e coordenação editorial
Francisco Algarín Navarro
Garbiñe Ortega
Design
Núria Gómez
Revisão
Arantxa Azurmendi
Produção
María Rodríguez 
Design 
Núria Gómez Gabriel
1º Edição
2018
Língua
ES / EN / EU

 

Também poderá gostar de