Azuis Ultramarinos: propaganda colonial e censura no cinema do Estado Novo
Azuis Ultramarinos: propaganda colonial e censura no cinema do Estado Novo

Azuis Ultramarinos: propaganda colonial e censura no cinema do Estado Novo

25,90 €  
IVA incluído.

Quando emergiu a geração do Cinema Novo, quais foram as evidências da (im)possibilidade de um outro olhar sobre as colónias portuguesas em obras de autor que foram censuradas e proibidas? Como é que a propaganda do Estado Novo filmou o «modo português» de estar no mundo»?
Este ensaio é um contributo decisivo para o estudo sobre a forma como Portugal «imaginou», durante a ditadura, o seu colonialismo através da sétima arte. «Em campo», é feita uma análise das representações coloniais impostas pelas actualidades cinematográficas de propaganda, nomeadamente, o Jornal Português (1938-1951) e Imagens de Portugal (1953-1970), publicações financiadas pelo Estado Novo. Em «contracampo», são recuperados três casos de filmes de autor proibidos: Catembe (1965) e Deixem-me ao menos subir às palmeiras... (1972), filmados em Moçambique por Manuel Faria de Almeida e Joaquim Lopes Barbosa, respectivamente, e ainda Esplendor selvagem (1972), rodado em Angola, por António de Sousa.
O vislumbre do «homem imaginado» pelo cinema colonial produzido durante o Estado Novo através deste dispositivo «campo/contracampo» faz emergir um imenso «fora de campo», mais amplo do que aqueles que o olhar da câmara permite captar, de acordo com um programa político ou uma sensibilidade de autor.

Marca Edições 70

Também poderá gostar de